Translate this Page








Total de visitas: 12242

O que é Autismo? (Transtorno do Espectro Autista)

O que é Autismo? (Transtorno do Espectro Autista)

 

O Autismo é um transtorno de neurodesenvolvimento com diversas apresentações clinicas, conhecido como Transtornos Globais do Desenvolvimento (TGD), sendo que : Neuro significa que é neurológico, ou que envolve o cérebro e o sistema nervoso. O termo desenvolvimental significa que o inicio da doença é na infância, e que esse transtorno altera o curso do desenvolvimento da criança.

Essas apresentações variam em gravidade (leves ou graves) e são denominadas transtorno do espectro do autismo que compromete a aquisição de algumas das habilidades mais importantes para a vida humana, incluindo prejuízos nas interações sociais, deficiências na comunicação verbal e não verbal limitação das atividades e interesses, e padrões de comportamento estereotipados.

Principais sintomas do Autismo:

Pode variar consideravelmente em cada individuo do espectro do autismo; o autismo afeta o modo como a criança percebe o mundo, dificultando a comunicação e a interação social, o que resulta em comportamentos repetitivos ou interesses peculiares ou intensos.  É importante lembrar que os sintomas do autismo são enraizados em causas neurológicas e estes comportamentos não dependem da criança.

Sintomas Sociais:   Sabemos que crianças são seres em desenvolvimento social; olham para as pessoas, voltam-se para vozes, seguram um dedo e ate mesmo sorriem; porém a maioria das crianças com autismo parece ter dificuldade enorme em aprender a participar do dar e receber da interação humana diária, muitos não interagem e evitam o contato visual, raramente procuram conforto ou respondem aos momentos de raiva ou afeto dos pais de uma maneira típica. Crianças com autismo também são mais lentos em aprender a interpretar o que os outros estão pensando e sentindo; sinais como piscar, careta, um sorriso, podem ter pouco significado, pois não têm a habilidade de interpretar gestos e expressões faciais; têm dificuldade de enxergar as coisas da perspectiva de outra pessoa, essa dificuldade deixa-os incapazes de prover ou compreender as ações de outras pessoas. O individuo com autismo pode ser perturbador  e agressivo fisicamente, eles têm tendência a perder o controle se estiverem em um ambiente estranho ou ameaçador, ou quando irritados e frustrados; podendo quebrar coisas, agredir a outros ou se machucar, chegam a puxar seus cabelos, bater com a cabeça ou mordem os braços.

 

Dificuldades de Comunicação:  Algumas crianças diagnosticadas com autismo permanecem mudos durante toda a vida; e muitos dos que falam usam linguagem de maneira incomum parecem incapazes de combinar palavras em frases compreensíveis. Algumas crianças com autismo repetem o que ouvem, uma condição chamada ecolalia. O dar e receber das conversas normais é difícil para eles, embora muitas vezes carreguem em um monólogo sobre um assunto favorito, não dando mais ninguém a oportunidade de comentar, há também a dificuldade e incapacidade de compreender a linguagem corporal, tom de voz, ou frases do discurso; além de ser difícil entender o que uma criança com autismo está dizendo, sua linguagem corporal também é difícil de entender. As pessoas com autismo têm dificuldade de fazer entender o que eles precisam, como resultado eles podem simplesmente gritar ou pegar o que eles querem, e essa dificuldade deles em entender os outros e se fazer presente pode tornar-se cada vez maior resultando em ansiedade e depressão.

 

Comportamentos Repetitivos: Esses comportamentos podem ser extrema e altamente visíveis ou mais sutis, sendo que algumas crianças e indivíduos mais velhos passam muito tempo agitando repetidamente os braços ou andando na ponta dos pés. Crianças com autismo, muitas vezes precisam e procuram ter consciência absoluta do seu ambiente; uma pequena mudança em qualquer rotina pode ser extremamente perturbador.

 

Processamento sensorial: Um individuo cm desafios sensoriais do autismo pode envolver hipersensibilidade (além da reatividade), também conhecida como defesa sensorial. Muitas pessoas com autismo são altamente sintonizados ou mesmo dolorosamente sensíveis  a determinados sons, texturas, sabores e cheiros. Algumas crianças acham a sensação da roupa tocando a sua pele quase insuportável, ou pode se distrair com o zumbido de uma abelha muito antes de qualquer outra pessoa estar ciente de sua presença. Hipossensibilidade pode ser aparente em uma maior tolerância da dor ou uma necessidade constante de estimulação sensorial; alguns são alheios ao frio ou calor extremos, e uma criança com autismo pode cair quebrar um braço sem chorar. Desequilíbrios sensoriais  também podem ocorrer em uma combinação aparentemente incongruentes em uma única pessoa, como por exemplo: aquele que pode exercer uma pressão forte (como um abraço), mas não pode tolerar a sensação do toque leve (como um beijo na bochecha). Sensibilidade exagerada ao toque, movimentos, locais, ou sons, dificuldade em fazer transição de uma situação para outra; são alguns sinais de disfunção sensorial.

Muitas das tarefas da “ função executiva” são notadamente desordenada no autismo, como no TDAH, no mal de Alzheimer em indivíduos que sofreram lesões no lobo frontal do cérebro; assim como as situações sensoriais são frequentemente relacionadas com os desafios em fazer sentido do todo, as habilidades de funções executivas são fundamentais para uma boa coordenação de recursos cognitivos: planejamento e organização, pensamento flexível e abstrato, e memoria de trabalho e em curto prazo, iniciando ações adequadas e inibindo ações inadequadas. Inteligência média ou acima da média é intrínseco para a definição da Síndrome de Asperger e geralmente reconhecido nos indivíduos caracterizados como tendo Autismo de Alta Funcionalidade; no entanto algum grau de comprometimento cognitivo tem sido demonstrado na maioria dos indivíduos com autismo clássico.

Muitos indivíduos com autismo vivenciam desafios motores no que se refere ao tônus muscular e / ou coordenação que também pode afetar sua capacidade de funcionar em níveis próprios à idade, Em alguns, a dificuldade está no planejamento motor e sua execução, e isso pode se estender da fala às atividades motoras.  Dificuldades na capacidade de coordenar e executar movimentos propositais na ausência da parte motora ou por deficiências sensoriais chamadas de dispraxia (capacidade desordenada) ou apraxia (ausência desta habilidade). Se uma criança tem fala apráxica ou dispraxica, a capacidade do cérebro para planejar o movimento dos lábios, a mandíbula e a língua podem fazer um discurso inteligível, incrivelmente difícil, mesmo se ele tem a linguagem intacta e sabe o que quer dizer.

 

Situações Emocionais, incluindo Ansiedade e Estresse:  Imagine-se em outro país, com uma língua diferente e diferentes convenções culturais.  Se o mundo fosse girando e a linguagem, os gestos, os sinais horários não fazem mais nenhum sentido, a ansiedade seria provavelmente o resultado Sem ninguém para contar e sem como pedir ajuda que a ansiedade certamente aumentaria.  Ansiedade e estresse são subprodutos muito reais dos desafios do autismo. Reconhecendo que muitos dos 'comportamentos' de autismo também são sinais comprovados de estresse ou ansiedade (distractividade, distância, acting out, roer as unhas, ações repetitivas, etc.) podem ajudar na interpretação de qual apoio necessário para um aluno individual. Além disso, as mesmas diferenças bioquímicas que podem causar ansiedade na população em geral podem estar presentes em indivíduos com autismo. Transtornos do espectro do autismo podem co-ocorrer com outros distúrbios de humor, de comportamento e de ansiedade, e são mais propensos a serem diagnosticados separadamente segundo a faixa etária dos alunos e a chegada à adolescência.